movimento ordem vigília contra corrupcao

terça-feira, setembro 18, 2007

É DE DAR MEDO O QUE ESTÃO ENSINANDO AS NOSSAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO EM FRANGALHOS!

Não vou importunar o leitor com teorias sobre Gramsci, hegemonia, nada disso. Ao fim da leitura, tenho certeza de que todos vão entender o que se está fazendo com as nossas crianças e com que objetivo. O psicanalista Francisco Daudt me fez chegar às mãos o livro didático "Nova História Crítica, 8ª série" distribuído gratuitamente pelo MEC a 750 mil alunos da rede pública. Por Ali Kamel, do Jornal o Globo (material completo)

O que ele leu ali é de dar medo. Apenas uma tentativa de fazer nossas crianças acreditarem que o capitalismo é mau e que a solução de todos os problemas é o socialismo, que só fracassou até aqui por culpa de burocratas autoritários. Impossível contar tudo o que há no livro. Por isso, cito apenas alguns trechos.

Sobre o que é hoje o capitalismo: "Terras, minas e empresas são propriedade privada. As decisões econômicas são tomadas pela burguesia, que busca o lucro pessoal. Para ampliar as vendas no mercado consumidor, há um esforço em fazer produtos modernos. Grandes diferenças sociais: a burguesia recebe muito mais do que o proletariado. O capitalismo funciona tanto com liberdades como em regimes autoritários."

Sobre o ideal marxista: "Terras, minas e empresas pertencem à coletividade. As decisões econômicas são tomadas democraticamente pelo povo trabalhador, visando o (sic) bem-estar social. Os produtores são os próprios consumidores, por isso tudo é feito com honestidade para agradar à (sic) toda a população. Não há mais ricos, e as diferenças sociais são pequenas. Amplas liberdades democráticas para os trabalhadores."

Sobre Mao Tse-tung: "Foi um grande estadista e comandante militar. Escreveu livros sobre política, filosofia e economia. Praticou esportes até a velhice. Amou inúmeras mulheres e por elas foi correspondido. Para muitos chineses, Mao é ainda um grande herói. Mas para os chineses anticomunistas, não passou de um ditador."

Sobre a Revolução Cultural Chinesa: "Foi uma experiência socialista muito original. As novas propostas eram discutidas animadamente. Grandes cartazes murais, os dazibaos, abriam espaço para o povo manifestar seus pensamentos e suas críticas. Velhos administradores foram substituídos por rapazes cheios de idéias novas. Em todos os cantos, se falava da luta contra os quatro velhos: velhos hábitos, velhas culturas, velhas idéias, velhos costumes. (...) No início, o presidente Mao Tse-tung foi o grande incentivador da mobilização da juventude a favor da Revolução Cultural. (...) Milhões de jovens formavam a Guarda Vermelha, militantes totalmente dedicados à luta pelas mudanças. (...) Seus militantes invadiam fábricas, prefeituras e sedes do PC para prender dirigentes 'politicamente esclerosados'. (...) A Guarda Vermelha obrigou os burocratas a desfilar pelas ruas das cidades com cartazes pregados nas costas com dizeres do tipo: 'Fui um burocrata mais preocupado com o meu cargo do que com o bem-estar do povo.' As pessoas riam, jogavam objetos e até cuspiam. A Revolução Cultural entusiasmava e assustava ao mesmo tempo."

Sobre a Revolução Cubana e o paredão: "A reforma agrária, o confisco dos bens de empresas norte-americanas e o fuzilamento de torturadores do exército de Fulgêncio Batista tiveram inegável apoio popular."

Sobre as primeiras medidas de Fidel: "O governo decretou que os aluguéis deveriam ser reduzidos em 50%, os livros escolares e os remédios, em 25%." Essas medidas eram justificadas assim: "Ninguém possui o direito de enriquecer com as necessidades vitais do povo de ter moradia, educação e saúde."

Sobre o futuro de Cuba, após as dificuldades enfrentadas, segundo o livro, pela oposição implacável dos EUA e o fim da ajuda da URSS: "Uma parte significativa da população cubana guarda a esperança de que se Fidel Castro sair do governo e o país voltar a ser capitalista, haverá muitos investimentos dos EUA. (...) Mas existe (sic) também as possibilidades de Cuba voltar a ter favelas e crianças abandonadas, como no tempo de Fulgêncio Batista. Quem pode saber?"

Sobre os motivos da derrocada da URSS: "É claro que a população soviética não estava passando forme. O desenvolvimento econômico e a boa distribuição de renda garantiam o lar e o jantar para cada cidadão. Não existia inflação nem desemprego. Todo ensino era gratuito e muitos filhos de operários e camponeses conseguiam cursar as melhores faculdades. (...) Medicina gratuita, aluguel que custava o preço de três maços de cigarro, grandes cidades sem crianças abandonadas nem favelas... Para nós, do Terceiro Mundo, quase um sonho não é verdade? Acontecia que o povo da segunda potência mundial não queria só melhores bens de consumo. Principalmente a intelligentsia (os profissionais com curso superior) tinham (sic) inveja da classe média dos países desenvolvidos (...). Queriam ter dois ou três carros importados na garagem de um casarão, freqüentar bons restaurantes, comprar aparelhagens eletrônicas sofisticadas, roupas de marcas famosas, jóias. (...) Karl Marx não pensava que o socialismo pudesse se desenvolver num único país, menos ainda numa nação atrasada e pobre como a Rússia tzarista. (...) "

Esses são apenas alguns poucos exemplos. Há muito mais. De que forma nossas crianças poderão saber que Mao foi um assassino frio de multidões? Que a Revolução Cultural foi uma das maiores insanidades que o mundo presenciou, levando à morte de milhões? Que Cuba é responsável pelos seus fracassos e que o paredão levou à morte, em julgamentos sumários, não torturadores, mas milhares de oponentes do novo regime? E que a URSS não desabou por sentimentos de inveja, mas porque o socialismo real, uma ditadura que esmaga o indivíduo, provou-se não um sonho, mas apenas um pesadelo?

Nossas crianças estão sendo enganadas, a cabeça delas vem sendo trabalhada, e o efeito disso será sentido em poucos anos. É isso o que deseja o MEC? Se não for, algo precisa ser feito, pelo ministério, pelo congresso, por alguém.

ENSINO MÉDIO VIVE “CRISE AGUDA”
O ensino médio vive "uma crise aguda", afirmou o ministro da Educação, Fernando Haddad, nesta segunda-feira (17). A declaração foi feita na abertura do seminário Ensino Médio Diversificado, na Câmara dos Deputados, em Brasília. O ministro admitiu que, em 2004, o governo acreditava que a qualidade do ensino médio melhoraria se fossem ampliadas as oportunidades de acesso à educação superior. "Imaginávamos que essas providências [ProUni e ampliação de vagas nas universidades federais] poderiam ajudar a robustecer o ensino médio, mas os indicadores, pelo menos até 2005, demonstram que essas iniciativas não têm impactado satisfatoriamente a questão da qualidade." Da Agência Brasil

PREMIAR ALUNOS DO BOLSA ESMOLA PODERIA AUMENTAR AINDA MAIS A VIOLÊNCIA CONTRA PROFESSORES
GOVERNO RECUA E DESISTE DO PROGRAMA

Segundo admitiu Rosani Cunha, da secretária do ministério responsável pela bolsa, o problema não foi financeiro, mas sim, o receio de que o tal prêmio "poderia causar riscos aos professores, de serem pressionados a aprovar os alunos". Na matéria completa para
assinantes da FSP , fala-se também de uma pesquisa contratada pelo Ministério do Desenvolvimento Social, cujo resultado servirá para embasar o cancelamento do programa, pois o incentivo de R$ 18 pagos por mês aos pais,não serviu para garantir o bom aproveitamento escolar aos beneficiários do Bolsa Família, de pelos menos 10 milhões de estudantes.

COMENTÁRIO:
Recompilei um comentário feito por nossa leitora Eleonora que retrata que a experiência de infância de Lula só serviou à preguiça e a malangragem. Eis aqui: "Lula adora citar que sua família não tendo em casa o que comer, que eles todos ficavam sentados na cozinha, em bancos grandes porque não tinha cadeira, olhando para o fogão, e que não tinha nada para colocar no fogão. Não era mais fácil eles irem trabalhar e trazer comida para casa, ao invés de ficarem esperando o peixe cair do céu?"

Para o desgoverno Lula chegar ao ponto de admitir que um de seus programas esmolísticos foi um tiro pela culatra (...) imaginem a dimensão do problema? É realmente de se espantar, diante desta admissão, porque o Lula nunca foi de se importar com os efeitos colaterais de seus programas assistencialistas. Muito pelo contrário: ninguém melhor que ele para saber que o único meio de se manter a pobreza é distribuindo esmolas. Por isto, é de se estranhar tal reconhecimento sobre o fracasso de mais este programa eleitoreiro.

Mais fácil acreditar que, prevendo as duras negociações/concessões que deverá fazer para tentar aprovar a prorrogação da CPMF - tributo que sustenta a campanha eleitoreira de distribuição de renda – o Lula espertamente tenha tirado da cartola mais esta pesquisa, procurando dar uma justificativa para interromper a verba destinada ao programa. Ontem, também já foram suspensos milhares de benefícios do Bolsa Família sob a alegação de limpeza de cadastro.

De uma coisa podemos ter certeza: Jamais que podemos esperar uma avaliação séria deste desgoverno, sobre os reais motivos que o levam a suspender programas de distribuição de esmolas. Ora! Da mesma forma que o benefício aos alunos não serviu para melhorar o desempenho deles na escola, segundo o próprio governo, o Bolsa Família também não ajuda na redução da pobreza das famílias.

A equação é óbvia demais. A esmola serve apenas para contribuir na manutenção de milhões de brasileiros na pobreza, uma vez que drena os recursos que deveriam estar indo para educação e para a infra-estrutura, essencial ao crescimento. E sem educação e sem empregos, ninguém sai de fato da pobreza. Terá de viver eternamente de esmola. É um tiro no pé. Mas que rende votos! Ou, vocês acham mesmo que Lula seria capaz de admitir tanto assim? Por Gaúcho/Gabriela

PARECE PIADA, MAS NÃO É!
REFUGIADOS PALESTINOS TÊEM MEDO DA VIOLÊNCIA NO BRASIL
O Brasil começa a receber nesta sexta-feira um grupo de pouco mais de cem refugiados palestinos. Eles, que passaram quatro anos vivendo em tendas no meio do deserto, ficaram felizes, mas apreensivos, quando receberam a notícia de que viriam para o Brasil. Alguns revelaram medo em ir para São Paulo, porque ouvem dizer que é uma cidade muito violenta. Material na BBC – Leia mais
aqui.

5 Comments:

  • LULA EMBURRECE O BRASIL. SAIU HOJE NA IMPRENSA QUE, EM LISTA DE 34 PAÍSES, O BRASIL É O QUE MENOS GASTA EM EDUCAÇÃO.

    O ESTUDO É DA OCDE -ORGANIZAÇÃO P/ COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. O BRASIL É O QUE APRESENTA O MENOR INVESTIMENTO POR ESTUDANTE, DESDE O PRIMÁRIO ATÉ A UNIVERSIDADE.

    DEPOIS A GENTE NÃO ENTENDE PORQUE O POVO É TÃO BURRO DE ACREDITAR NO LULLA! - REBUSNAI, RELINCHAI, IRMÃOS!!! PQP!

    By Anonymous GUILHERME, at 6:08 PM  

  • A oposição não tem que conceder nada, muito menos negociar com Lula. CHEGA! Se entrarem em “acordo” para prorrogar a CPMF é porque existe coluio para reeleição do bandido. É só fechar a torneira da CPMF que os programas assistencialistas do Lula vão pro brejo. Políticos decentes têm que agir agora para acabar de vez com essa peça de marketing do Lula

    By Anonymous Teo, at 6:32 PM  

  • Isso aqui tá pior que Bagdá faz tempo!!!! Só o Lula acha que tudo tá uma maravilha!

    By Anonymous Anônimo, at 6:42 PM  

  • Eu creio que a educação é a maior vítima do governo (?) lulo-petista.
    Essa história que o ministro da educação inventou não corresponde à realidade. O governo investiu no Prouni visando aos votos dos adolescentes.
    A quem eles ainda pensam enganar?
    O ensino fundamental e o médio foram abandonados porque os alunos, nesta fase, não votam.

    By Blogger Saramar, at 7:49 PM  

  • O Brasil vive uma doença aguda, que vai do ridículo explicito à imbecilidade crônica, por continuar aceitando Lula como presidente.

    By Anonymous José Maria, at 8:08 PM  

Postar um comentário

<< Home