movimento ordem vigília contra corrupcao

sexta-feira, agosto 25, 2006

LULLA TEM QUE SER POSTO FORA COM URGÊNCIA. É UMA OBRIGAÇÃO CIVIL


Há inúmeros motivos pelos quais o ex-operário Luiz Inácio “Duda” da Silva deve ser posto para fora do Palácio do Planalto, apesar da “ação solidária” dos políticos matreiros, das corporações ativistas, da igreja materialista e dos intelectuais “orgânicos”, todos favorecidos pela situação vigente. Cito adiante apenas alguns, de forma aleatória, mas suficientemente percebidos pelos brasileiros que não estão anestesiados.

O primeiro motivo pelo qual o presidente deve ser deposto é devido ao fato de ter-se tornado um impostor. Um impostor anedótico e leviano. Na prática política, desde que assumiu a cadeira presidencial, Lula finge que governa, cultivando a falsa imagem de “líder carismático”, na presunção absurda de que está acima do conhecimento, da experiência e da moralidade. Com sua conversa de caixeiro-viajante, traduzida em discursos de ocasião e improvisos grosseiros, cumprindo a rotina de eventos eleitoreiros, sagrou-se agente do embuste oficial, especialmente quando, diante de público cativo (a claque organizada), detona promessas irresponsáveis que jamais teria condições de cumprir.

Outro motivo assinalável é que Lula, no exercício da Presidência, tornou-se um mentiroso contumaz. Antes, mentia muito - mas agora, na atual temporada, ultrapassou todos os limites. Lula mente até quando diz a verdade - em geral rasa e menor. Mente a propósito de tudo, mormente quando diz ignorar o que se passa ao seu redor, degradando o cargo que ocupa diante da nação perplexa. Começou enganando, ainda em campanha, com a promessa de criar 10 milhões de novos empregos, quando na verdade, no centro do “pudê”, apenas exacerbou o esquema de distribuição dos “cargos de confiança” (DAS) entre apaniguados do PT dentro da corrompida máquina estatal.

Em terceiro lugar, por absoluto despreparo. Ignorante, maniqueísta, sem o menor conhecimento de história, economia, arte, ciência ou princípios administrativos elementares, caiu nas mãos, por exemplo, na área diplomática, de pigmeus fanáticos tipo Celso Amorim e Marco Aurélio Garcia, responsáveis por política externa cegamente ideologizada, a serviço do antiamericanismo histérico comandado por Fidel (hoje, à sombra do atrevido coronel Chávez), de quem se tornou mero joguete, ainda que justificada pelo desejo de “ocupar uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU” – o que só nos tem acumulado prejuízo de milhões de US$ e sucessivos fracassos diplomáticos (até mesmo no falido Mercosul). De fato, embora astucioso, Lula não tem o menor discernimento para aferir a complexidade das cambiantes relações internacionais, a ponto de imaginar-se parceiro do “profiteur” Chirac, quando, na verdade, não passa de mero “bengalinha” (artefato) a ser convenientemente manobrado.

Em quarto lugar, por presumida prevaricação. Não dá para acreditar que Lula da Silva desconheça que o favorecimento vergonhoso do próprio filho, Fábio Lulinha da Silva, sócio da empresa Gamecorp, beneficiária de investimento público (da Telemar, 25% de capital estatal) na ordem de cinco milhões de R$, e que o obscuro empréstimo (R$ 29.436,26) obtido por ele próprio, Lula, junto ao PT, incompreensivelmente pago com dinheiro do ex-tesoureiro de campanha Paulo Okamotto (diretor-presidente do Sebrae, nomeado por Lula e sogro de Lulinha, o filho), não tenham o significado óbvio de crime contra os deveres do cargo.

Em quinto lugar, pela dissipação do dinheiro público. Não é factível somar hoje os bilhões de dólares sacados irresponsavelmente do bolso dos empresários e dos trabalhadores brasileiros, para o apadrinhamento perdulário das mais diversas corporações esquerdistas, ONGs, entidades de classe e personalidades fajutas, mais projetos sociais fraudulentas, campanhas publicitárias demagógicas (tipo “O melhor do Brasil é o brasileiro”), roubos, uso de recursos “não contabilizados”, mais centenas de viagens inúteis, almoços, jantares, coquetéis (com direito a uísque Logan e prostitutas de luxo), um sem número de subsídios, isenções fiscais e o dispêndio com obras absolutamente dispensáveis, que só fazem minar o sangue, o suor e a crença do brasileiro no próximo e em si mesmo. Quando tal soma for levantada, é bem factível pensar-se numa “Marcha dos espoliados sobre Brasília”.

Em sexto lugar, pela manifesta insensibilidade social e humana. Em que pese anunciar o propósito de voltar-se em favor da “justiça social”, como fez o desgoverno hiper-inflacionário do parceiro Sarney, Lula foi o único presidente na história do Brasil, até hoje, que viu um brasileiro pobre - o operário paraibano José - embeber-se em álcool e atear fogo nas próprias carnes, não sem antes anunciar o ato trágico diante de um Planalto arrogante e indiferente.

Ademais, considero que deveria ser enxotado do Planalto por uma questão de estilo. Se, como queria Buffon, o estilo é o homem - o estilo “britadeira” do mandatário, empacotado por ternos de cinco mil reais (pagos por Duda Mendonça), só revela pequenez e imperfeição. De modos, atitudes, gestos e pronúncia. Lula, falando, pois não sabe escrever, parece querer reduzir tudo às suas próprias limitações, que são enormes e evidentes. Assim, ao lado dos surrados apelos oratórios pontilhados de “companheiros”, “ou seja”, “sabe”, etc, etc, quase sempre apoiados no gestual mecânico de apontar para o alto os indicadores, somam-se o cacarejar de frases ocas e de fórmulas exauridas, atreladas (o mais nocivo) às insistentes promessas de um “futuro próspero e feliz” – e que só afloram, na platéia consciente, os sentimentos de tédio, logro e ira.

Sim, Lula tem de ser posto fora com urgência. É uma obrigação civil. O povo brasileiro, em que pese o apego folclórico e natural às compensações do samba, carnaval e futebol, e o permanente anseio por soluções miraculosas apontados pelo governo, merece coisa melhor. Ou não? Por, Ipojuca Pontes ( Mídia sem Máscara)

FORA LULLA!!!
Movimento da Ordem e Vigília Contra a Corrupção

3 Comments:

  • Este governo Lula ultrapassou todos os limites. Este homem, está abaixo da linha do suportável da nossa tolerância.

    By Anonymous Gabriela, at 10:51 AM  

  • Belo texto!

    beijos

    By Anonymous Saramar, at 10:53 AM  

  • E o mais inacreditável vem da população. Todos perderam a capacidade de se indignar.

    By Anonymous Anônimo, at 2:21 AM  

Postar um comentário

<< Home