movimento ordem vigília contra corrupcao

sexta-feira, agosto 18, 2006

SANGUESSUGAS NO PALANQUE DE LULLA


A questão é simples: quem faz comícios ao lado de sanguessugas, afaga mensaleiros publicamente e assegura a impunidade de corruptos pode exortar seus partidários a ter "ousadia para defender nossa dignidade, para defender a nossa honra e para defender a ética neste país"? Respostas nas urnas, a 1º de outubro. Por, Jorge Bornhausen


Por enquanto, porém, registremos a audácia com que o presidente da República pratica seu marketing de avestruz, fingindo que não tem nada a ver com o ponto fulcral da campanha eleitoral, que é a corrupção, mãe de todas as desgraças que afligem este país, desde o desemprego - exposto pelo crescimento pífio da economia, em média inferior a 3%, quando os países emergentes crescem acima de 9% - até a crise da segurança pública, que resulta da má gestão dos recursos públicos e da óbvia degradação moral de que o crime organizado se aproveita.

Até quando o presidente da República continuará se acumpliciando e protegendo corruptos, em vez de puni-los? Por insistir publicamente nesta pergunta, sempre de forma civilizada, tenho sido citado seguidamente, e de forma insultuosa, pelo presidente, como ocorreu na sua passagem por Santa Catarina. Mesmo sem me defender das insolências (já que não sou acusado, mas provocado, e estou vacinado para absorvê-las), volto a reclamar uma definição: até quando o presidente, em vez de puni-los, continuará se acumpliciando e protegendo corruptos?


E não é por falta de opções. No próprio PT não faltam cidadãos honrados e probos, apesar dos substanciais desfalques sofridos quando, em nome da ética e da moral, muitos petistas históricos abandonaram o partido. São quase todos os políticos com que ideologicamente não comungo, muito pelo contrário, combato-os, mas em quem a sociedade reconhece idoneidade e correção. Além do respeito que ganham pela coragem da ruptura.

O problema, portanto, não é ideológico. Não se trata de esquerda ou direita. A questão é de natureza ética, que antecede a própria legalidade, pois tem a ver com o que os psicanalistas chamam de "senso moral" e que é identificado até nas sociedades mais primitivas. Também historicamente manifesta-se a transgressão desta consciência com o mesmo tipo de audácia que fez vicejar no governo Lula os "sanguessugas", "mensaleiros", "vampiros" e "waldomiros"...


Não é por acaso o que ocorre durante as apresentações da tragédia que Shakespeare, "Ricardo III", em memorável encenação com o ator Marco Ricca no papel-título, atualmente em cartaz em São Paulo. Dois capangas, contratados pelo Duque de Gloucester para assassinar seu irmão Clarence, travam um terrível e cínico diálogo sobre a consciência moral. Diz um deles - "Onde está sua consciência?" O outro responde prontamente: "Ora, na carteira do duque de Gloucester”.

A platéia explode numa gargalhada, em evidente transferência para o momento brasileiro, e quase não se ouve o resto da fala, que termina assim: "Todo homem que quer viver bem procura confiar em si mesmo e livrar-se da consciência."


Imagino que é assim que pensa Lula, dominado pela volúpia do poder, que também traz dinheiro, luxo e riqueza, e renegando sua consciência moral. Isso implica conservar Delúbio e outros como amigos queridos (quando devia se sentir traído), além de garantir-lhes a impunidade.


Como mostrou a exótica deputada petista, que saiu rebolando a dança dos mensaleiros no plenário da Câmara, o governo Lula atuou decisivamente para impedir a cassação dos acusados pela CPI dos Correios. Agora, além dos mensaleiros, o presidente passou a subir ao palanque com sanguessugas, pessoas comprovadamente comprometidas com a grande fraude orçamentária das ambulâncias superfaturadas. Lula fez a sua escolha, não pode se queixar. O Globo.

Movimento da Ordem e Vigília Contra a Corrupção

2 Comments:

  • Lula é um "nada"! Um homem, sem educação, sem princípios éticos e morais. Este miserável, ainda têm a audácia de se sentir um mestre da política, sem que nunca tenha sido dicípulo de nada. Que texto brilhante de Bornhausen. Lamentável, que homens brilhantes com esta riqueza intelectual, tenham que perder tempo pra falar de uma "coisa" chamada Lula, com citações de tragédia de Shakespeare "Ricardo III". Se Lula, ler isto, nem irá entender... quem foi este cara!! rsrsrsr

    By Anonymous Gabriela, at 2:55 PM  

  • O grande problema é que o povo é maioria e os cidadãos minoria.
    Cidadão é aquele otário que sustenta o povo e os políticos que vivem do povo.
    Povo pede e Cidadão exige.
    Povo decide e Cidadão apenas vota.
    Povo recebe e Cidadão paga.
    Povo vota no PT . Cidadão não tem opção
    Povo não deveria votar.
    Só cidadão deveria votar, pois afinal é ele que sustenta estas chusma de parasitas políticos e o povo que os elegem
    Os políticos temem os cidadãos e tem nojo do povo.
    E só para arrematar : O Lulla diz que nosso sistema de saúde é “quase” perfeito, mas o check up dele é feito no INCOR e não em hospital público. Porque?

    By Anonymous Adeilson, at 7:40 PM  

Postar um comentário

<< Home