movimento ordem vigília contra corrupcao

segunda-feira, outubro 23, 2006

TRÉGUA PELO ALIADO


Editorial

Com certeza foi confiando na memória curta geral, graças à qual só tem efeito junto ao eleitor aquilo que ocorre bem próximo às eleições - e a enxurrada de “pacotes de bondade” do governo não é prova disso? -, que o Movimento dos Sem-Terra (MST) delimitou sua trégua, na guerra que tem movido contra a propriedade alheia, ao estrito período da campanha eleitoral.


Disse o líder José Rainha Júnior (esse mesmo, que ninguém imaginava já estivesse solto, depois de tantos crimes pelos quais tem sido processado e preso) que a trégua nas invasões termina às 17 horas do dia 29, exatamente quando se encerra a votação do segundo turno. “Vamos sair das trincheiras e retomar as mobilizações” - disse ele, deixando claro que a drástica diminuição do ritmo das invasões no período eleitoral deveu-se ao engajamento na campanha do presidente: “Estamos na rua agora, mas é para eleger Lula.”

Vê-se, assim, que há um duplo objetivo na trégua que faz o MST em favor de seu grande aliado Luiz Inácio Lula da Silva: o primeiro é o da suspensão dos efeitos negativos, perante o eleitorado, das inúmeras formas de violência praticadas por essa entidade, tais como a ocupação de fazendas produtivas, o cárcere privado imposto a seus empregados, a rebentação de cercas, estrago de plantações, matança de animais, depredação vandálica de sedes - sem falar do roubo e destruição de cabinas de pedágio, a ocupação de rodovias cerceando o direito de ir-e-vir das pessoas, o saque de cargas, a ocupação de repartições públicas e outros atos violentos que são incompatíveis com a práxis de uma democracia civilizada. O segundo objetivo é a simples colocação da massa de manobra emessetista a serviço, em tempo integral, da candidatura Lula.

Repare-se nestes dados: de janeiro a março deste ano o MST fez 99 invasões nos 21 Estados em que atua - no ano passado tinham sido 63 no mesmo período. Em abril houve outras 35 invasões, totalizando 134 em quatro meses. Mas, a partir de então, com o início da campanha eleitoral, o movimento arrefeceu drasticamente, fazendo com que nos quatro meses seguintes houvesse apenas 46 invasões - e só 4 em setembro. Quer dizer, neste ano o movimento primeiro procurou acumular um “estoque” de invasões superior ao dos anos anteriores, para compensar a redução na trégua eleitoral. Prova disso é que até quarta-feira tinham sido registradas apenas a ocupação da sede do Incra em Belo Horizonte e de uma fazenda em Roraima.

De acordo com o que disse Rainha, um provável segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva será “uma grande oportunidade para que o presidente resgate seus compromissos” com a reforma agrária. Disse mais, que o governo federal deu mostras de que quer resolver o problema dos sem-terra, ao contrário do que ocorreu em alguns Estados - e aí foi específico em relação ao Estado de São Paulo, ao dizer que “na gestão Alckmin a questão fundiária foi tratada como questão policial e não política”. Bem, pelo menos quanto ao MST (extensivo a seus ainda fracos concorrentes) não há como deixar de lado a questão policial, dado o emprego sistemático da violência no desrespeito que essa entidade tem praticado a inúmeros dispositivos do Código Penal - e o líder José Rainha Júnior é a figura mais emblemática dessa ação criminosa continuada.

Mas,voltando ao “recesso” do movimento dos sem-terra, com data e hora marcada para acabar, é preciso entender que, em lugar de “coisa normal” (como já se julgam tantas aberrações neste país), é coisa extremamente estranha que uma organização sem existência legal se coloque a serviço eleitoral da candidatura à reeleição de um presidente da República. Sabe-se que compromissos são firmados nas alianças eleitorais.

O presidente Lula, que costuma usar os bonés e prestigiar as griffes dos ditos movimentos sociais que recorrem à violência, se reeleito, que condições terá para impedir que seus apoiadores ostensivos, pertencentes a organizações clandestinas (porque não submetidas ao controle que as obrigaria à existência legal), continuem a praticar seus crimes, imbuídos, como se sentem, do pleno apoio oficial – O Estado de São Paulo

*
FARRA INTERNACIONAL
Enquanto produtores agrícolas reclamam prioridade e investimentos, o Ministério da Agricultura autorizou – nos primeiros vinte dias de outubro – viagens internacionais de 126 servidores, com diárias e passagens pagas pelos cofres públicos.

O número de viajantes espantou os funcionários mais antigos: nunca se viu isso. Os destinos atendem a todos os gostos: Paris, Barcelona, Tókio, Santiago do Chile, Seul, Londres e Estados Unidos. Por C. Humberto
*


PACTO DE MEDIOCRIDADE!
Duas matérias no Financial Times online de domingo demonstram que uma "ampla vitória" de Lula significa um pacto com a mediocridade, com o crescimento baixo, com a ausência de reformas e a transformação da expressão "privatização" em um autêntico palavrão.

Pior: os jornalistas J. Wheatley e R.Lapper perceberam corretamente que não só Lula está abandonando a modernidade, mas o próprio candidato Alckmin está sendo forçado a negar e renegar idéias de reformas e de privatização para não perder votos.

O nome para tudo isso: uma tragédia brasileira. Os eleitores não se incomodam com a corrupção, mas não querem saber de privatização.
Prospect of big Lula victory raises fears over reform
http://www.ft.com/cms/s/7da92682-6232-11db-af3e-0000779e2340.html

Privatisation is a dirty word
http://www.ft.com/cms/s/246a47a8-61ed-11db-af3e-0000779e2340.html


*
NOVA IGUAÇU NO ROTEIRO DA GANGUE DO DOSSIÊ
A Polícia Federal descobriu que a empresa Vicatur Câmbio e Turismo, de Nova Iguaçu (RJ), forneceu os US$ 248,8 mil apreendidos com o petista Valdebran Padilha, da gangue do dossiê, que seriam usados para comprar informações supostamente comprometedoras contra políticos tucanos.

O prefeito de Nova Iguaçu é Lindberg Farias, do PT. De lá, o avião com os dólares da gangue do dossiê seguiu para o aeroporto de Campo de Marte, na capital paulista, onde o dinheiro foi apreendido no Hotel Ibis em poder de Padilha e de Gedimar Passos, junto com quase R$ 1,2 milhão levados a eles por Hamilton Lacerda, assessor do senador Aloizio Mercadante (PT-S). Os dólares foram comprados legalmente no exterior pelo Banco Sofisa, de São Paulo, e repassados a corretoras e casas de câmbio como a Vicatur Câmbio e Turismo.

Os petistas utilizaram a identificação de laranjas - pessoas pobres de uma mesma família - para recolher os dólares. A Vicatur sofrerá uma devassa e seus proprietários terão de depor na PF. – Por Cláudio Humberto
*
OPERAÇÃO ABAFA

JUSTIÇA RESTRINGE ACESSO A DADOS DE DOSSIÊ POR CPI
O juiz da 2ª Vara Federal de Cuiabá (MT), Jefferson Scheinneder, determinou ontem que os delegados Diógenes Curado e Luiz Flávio Zampronha, da Polícia Federal (PF), restrinjam a divulgação de informações relativas às investigações do dossiê contra tucanos. De acordo com o magistrado, a medida tem como objetivo evitar vazamentos que possam prejudicar a apuração dos fatos ou ferir os direitos de pessoas investigadas.


De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, a decisão do magistrado também restringe o compartilhamento de informações entre a PF e a CPI das Sanguessugas. Agora, os membros da comissão terão de ir para Cuaibá caso queiram dados do inquérito como cópias de depoimentos, perícias, cruzamentos de dados e análises de quebras de sigilos bancário, fiscal ou telefônico.

As restrições do magistrado ocorrem quando as lideranças da CPI acusam a PF de obstruir as investigações da comissão sobre a origem do R$ 1,75 milhão que o PT usaria para comprar o dossiê da família Vedoin. Ontem, o deputado Raul Jungmann (PPSPE), vice-presidente da CPI, ameaçou ingressar com mandado de segurança contra a PF, reclamando que o relatório parcial do inquérito vazou para a imprensa sem que a comissão tivesse analisado os papéis previamente.

No sábado, Scheinneder acolheu parcialmente pedido do PT para suspender o sigilo do inquérito, permitindo "única e exclusivamente" a divulgação do teor do relatório preliminar da PF sobre o dossiê. Redação Terra
*
VAI TER QUE EXPLICAR:
"O empresário Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pode ser convocado pela Câmara dos Deputados para explicar as denúncias de que teria atuado como lobista da Telemar, da Brasil Telecom e da produtora de vídeo Casablanca.

O líder da minoria na Câmara, deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA), e o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) defenderam ontem que uma comissão temática da Câmara investigue a denúncia contra Lulinha, que é sócio da empresa Gamecorp." – O Estado de S. Paulo. Leia mais
*
E QUEM FOI QUEM DISSE QUE OS RICOS NÃO PRECISAM DO ESTADO?

Lucro das grandes companhias quadruplica no governo Lula
"Em três anos e meio de governo Lula, o lucro das grandes empresas do setor produtivo mais que quadruplicou em relação a igual período do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, superando em muito a rentabilidade dos bancos.

A soma do lucro líquido das 227 principais empresas com ações negociadas em Bolsa cresceu de R$ 29,3 bilhões para R$ 131,7 bilhões entre os dois governos. A diferença, de R$ 102,4 bilhões, representa um salto de 349,8%." – O Estado de SP Leia mais
*

EU TOPO O JOGO!
O Brasil tem de se dividir entre os que acatam o discurso de Lula e do PT – não são a mesma coisa, mas a diferença e irrelevante – e os que não acatam; entre os que se subordinam a sua agenda e os que a recusam. E ponto final.

Não há qualquer chance de conciliação. E não se trata apenas de rejeitar este arranca-rabo de classes. Trata-se de dizer “não” também aos métodos, ao chamado “roubo social”.

Vamos ver quem adere e quem resiste. E vamos ficar, claro, aos lado dos que resistem. Por Reinaldo Azevedo
Por Gaucho/Gabriela (Movimento Ordem e Vigília Contra a Corrupção)

5 Comments:

  • É golpe mesmo, deveríamos chutar essa quadrilha de lá antes que eles vendam o Brasil e nos deixem na mão! É lula de novo com a burrice do povo!

    By Anonymous OTÁRIO, at 11:51 AM  

  • Era hora de dividirmos nosso país em duas partes. Afinal, somos quarenta milhões de acordados. Pois, eles que fiquem com o Lula para sempre. E, nós elegeríamos nosso presidente. Eles, que fiquem com o PCC para sempre. Uma grande CHANCE não é? Ora, o Brasil é muito grande, seria possível está devisão, uma vez que ele mesmo já promoveu o apartheid.

    By Anonymous Gabriela, at 7:53 PM  

  • O tempo passa, o cerco se fecha.
    Pq votar em Lulla, se este está com mais lama do que o brejo??
    Vote inteligente
    Geraldo para Presidente!!!!

    By Anonymous Ivanildo Ribas, at 8:38 PM  

  • Esses aloprados eram a fina nata do peteba.Freud o carregador de mallas, lorenzetti o churrasqueiro, expedito o otario. gedimar,berzoini,valdebran,e Deus sabe quem mais.Agora vcs imaginem a competencia deste governo.Quem gera empregos, produz e exporta sãos empresarios, e ai de nós se não fosse essa elite.O governo até hoje só produziu lama.Tudo que fez foi copiado do fhc.É muito facil aplicar mais dinheiro em qq acão social.

    By Anonymous Marquito, at 8:55 PM  

  • O Brasil, como sempre ... dois pesos e duas medidas ...
    só que diferentes ..
    ALCKMIN, não conseguiu que a Justiça, que deveria er imparcial, elevasse seus gastos de campanha , mas, ... LULA SIM... então ... viva a imparcialidade da JUSTIÇA

    By Anonymous betyy0m@hotmail.com, at 4:09 AM  

Postar um comentário

<< Home