movimento ordem vigília contra corrupcao

quarta-feira, setembro 12, 2007

SESSÃO DO SENADO TEM SOCOS E PONTAPÉS

A porta do plenário do Senado Federal virou um pandemônio com a troca de socos e pontapés envolvendo deputados, seguranças e senadores no início da sessão que votará a cassação do mandato do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Deputados que conseguiram liminar no Supremo Tribunal Federal (STF) para ter acesso à sessão foram barrados pelos seguranças que atendiam ordem senador Tião Viana (PT-AC).

O tumulto foi grande. O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) tentava entrar, foi barrado e, no meio da confusão, ele e um segurança começaram brigar e chegaram a trocar socos antes de serem apartados. O deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) também partiu para o confronto e chegou a dar um soco em Tião Viana (PT-AC), vice-presidente da Casa e que presidirá a sessão de cassação do mandato de Renan.

Os 13 deputados protegidos pela decisão judicial superaram a barreira da segurança e entraram. Inconformado, o senador Tião Viana seguiu protestando, mas deu início aos trabalhos. Pela ordem, alguns senadores pediram a palavra e solicitaram que a sessão fosse aberta, mas Tião Viana mantece-se irredutível. Por volta de meio dia, Tião Vianna deu início à sessão com as portas cerradas. Por conta da decisão, Tião Viana chegou a levantar a hipótese de adiar a sessão das 11 para as 14 horas a fim de recorrer ao STF e impedir a presença dos deputados. Os demais integrantes da Mesa do Senado não apoiaram Tião Viana e o adiamento foi descartado. Material do Blog dos Democratas

Assista aqui, ao vídeo do empurra-empurra.

RENAN: ESPECIALISTAS QUESTIONAM SESSÃO SECRETA
Advogados afirmam que regra do regimento do Senado fere princípio constitucional. Processo que pede cassação de Renan Calheiros será votado nesta quarta (12).Na madrugada desta quarta, o
Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou um grupo de 13 deputados a assistir à sessão. Os parlamentares haviam pedido que a sessão fosse aberta ou que tivessem autorização para entrar no plenário. Para os especialistas ouvidos pelo G1, uma sessão fechada fere o princípio constitucional que determina a transparência e a publicidade dos atos governamentais.

NAS MÃOS DOS SENADORES A MORALIZAÇÃO DO BRASIL OU O LAMAÇAL DE LULA
Este 12 de setembro é uma data tão importante para o País quanto o 28 de agosto último, quando o Supremo Tribunal Federal decidiu pela abertura de processo contra os 40 aloprados da quadrilha de Luiz Inácio Lula da Silva.

Embora o Senado Federal vá realizar a sessão sobre a cassação de Renan Calheiros a portas fechadas, num ambiente já obscuro pela própria presença de um presidente sob tantas suspeitas, os senadores da República têm a oportunidade de atenderem ao clamor da sociedade informada, que não vai tolerar impunemente que se produza mais uma agressão à consciência nacional.

“A decisão do Senado é tão grave e pode determinar um divisor de águas, sequenciando a postura do Supremo, que, qualquer que seja o resultado da votação, pautará a agenda nacional. Os senadores decidirão se o Brasil prosseguirá o caminho da ética, como traçou o Supremo, ou escorregará no lamaçal construído por Lula e o pelo PT”, adverte o líder Democrata José Carlos Aleluia (BA).

Os dois maiores partidos do Senado, PMDB e PT, são da base de Lula, portanto não surpreenderão se fizeram a opção pelo lamaçal. Afinal, Lula e Renan são símbolos das duas legendas e dos maiores escândalos da República. Site do Aleluia

CAETANO VELOSO ALFINETA LULA
O compositor Caetano Veloso, ao lançar seu DVD Multishow Cê Ao Vivo ontem, na Fundição Progresso, no Rio, declarou que o senador Renan Calheiros "deve ser posto para fora". Perguntado sobre se era possível ficar calado com o que está acontecendo na política brasileira, o cantor disparou: - Em política, sou totalmente Lobão e (Fernando) Gabeira. Gabeira e Mangabeira (Unger, ministro da Secretaria de Planejamento de Longo Prazo). Para Caetano, Mangabeira falou mal de Lula "no momento em que Lula merecia". - O Lula, pelo contrário, beijou a mão de pessoas que ele passou anos chutando, como Jader Baralho. E agora defende Renan Collor de Mello Calheiros - comparou, aludindo ao ex-presidente. O compositor ainda elogiou a decisão do Supremo Tribunal Federal em aceitar a denúncia contra os 40 acusados do mensalão e alertou os senadores: - Votar pela cassação de Renan é dever de todos os parlamentares. JB Online
Por Gaúcho/Gabriela (MOVCC)

1 Comments:

  • Os 6 seguranças estão no IML fazendo exame de corpo e delito por causa das escoriações, e também para se protegerem contra eventuais processos por agressão.

    By Anonymous Daniel, at 5:03 PM  

Postar um comentário

<< Home