movimento ordem vigília contra corrupcao

sexta-feira, agosto 31, 2007

MILITARES REAGEM! MINISTRO ESTÁ FORA DA “LINHA DE COMANDO”

No seu discurso, durante o lançamento do livro "Direito à Memória e à Verdade", no Planalto, Jobim afirmou que a tropa recebia o lançamento do livro como algo "absolutamente natural". E que reações diferentes dessa "teriam resposta".

Os presidentes dos clubes Militar, Naval e Aeronáutico, reunidos ontem, decidiram lançar uma nota conjunta, criticando a declaração de Jobim.

O presidente do Clube Militar, general Gilberto Barbosa de Figueiredo classificou a declaração de Jobim de revanchista. - Achei (a declaração) completamente fora de contexto, num momento em que falamos em conciliação e em fim de conflitos. Foi uma provocação, um revanchismo. A declaração não bateu bem, foi desnecessária. Parece uma bravata. Um momento de arroubo, fora do tom - disse o general Gilberto Figueiredo.

PARA MILITAR, MINISTRO ESTÁ FORA DA “LINHA DE COMANDO”
O militar ressaltou que o Ministério da Defesa é uma "instância administrativa" e que o comando das Forças Armadas está nas mãos do presidente da República: - A lei que institui o Ministério da Defesa não o coloca (ao ministro Jobim) na linha de comando. Essa função é do presidente - afirmou o general Figueiredo. O general afirmou ainda que o Brasil vive uma democracia, e que, "portanto, qualquer um pode lançar o livro que quiser". Mas classificou de "fora do momento" a cerimônia de lançamento do livro que aconteceu "sob o abrigo da Presidência da República". O Globo

“FOI GROSSEIRA MANIFESTAÇÃO”
O general da reserva Luiz Gonzaga Lessa, ex-presidente do Clube Militar, traduziu a insatisfação dos oficiais-generais com a atitude do ministro da Defesa, Nelson Jobim

De acordo com Lessa, mais do que o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que transformou a solenidade de lançamento do livro em ato oficial de governo, Jobim fez uma "grosseira manifestação", ao ameaçar os militares.

Para o general da reserva, que tem grande prestígio na tropa, "todo militar bem sabe, e muito antes do sr. Jobim, que aquele que se manifestar publicamente, se na ativa estiver, será passível de punição, que nem sempre é motivo de injúria e vergonha". Ao salientar que Jobim "parece não saber que respeito se conquista, não se impõe", Lessa afirmou que "as Forças devem-lhe respeito, mas, em contrapartida, também exigem que sejam respeitadas e consideradas e não grosseiramente ameaçadas".

Para o general, o lançamento do livro "remexe na ferida que teima em não curar e reabrem revoltas, indignações, desconfianças, preconceitos, revelando uma visão míope, distorcida da realidade, retrógrada, que possibilita o aparecimento de teses preocupantes e descabidas, que pretendem atentar até mesmo contra a Lei da Anistia, tudo concorrendo para a discórdia".

Depois de comentar a ausência dos comandantes militares na solenidade "recomendável sob todos os aspectos", o general lembrou que a presença de Lula "conferiu-lhe um preocupante vigor político, comprometeu o bom relacionamento até então conseguido com o segmento militar e deixou bem claro a sua parcialidade, por reconhecer apenas os direitos daqueles que combateram os governos militares, desconsiderando os agentes do estado, traiçoeiramente, trucidados pelos subversivos de então". Jornal de Brasília

AMEAÇA EXPLÍCITA
O presidente Lula e o ministro da Defesa Nelson Jobim perderam totalmente o rumo da conciliação imposta pela Lei da Anistia, anistia que particularmente e principalmente perdoava os crimes praticados por muitos dos que estão nesse governo. Esses criminosos que assaltaram bancos, metralharam inocentes, explodiram aeroportos, seqüestraram embaixadores, mataram militares a coronhadas e tantas outras atrocidades, foram perdoados pela sociedade; sociedade defendida pelos militares e policiais que desempenhavam as suas funções, estavam a serviço do estado. Texto de Ernesto Caruso – continua
aqui.

LULA E O MEDO DA VAIA!
OPERAÇÃO ABAFA
Assessores militares do presidente Lula já decidiram como abafar eventuais vaias, na parada de 7 de Setembro. A chegada de Lula, em carro aberta, será acompanhada de um inédito sobrevôo (barulhento) de helicópteros. Por Cláudio Humberto

3 Comments:

  • Já estou escrevendo sobre o assunto e este post veio par amelhorar meu texto.

    O que foi isto senão a mais clara provocação?

    Elles estão doidos para ter um motivo... Cabe a nós não ofertá-lo.

    By Blogger Saramar, at 1:57 PM  

  • Lula safado! Entregou os pugilistas cubanos ao tirano sabendo que vão padecer no inferno, e fica fazendo graça com esse livro revanchista de merda, escrito por terroristas. Foi retaliação claro que foi. Só porque "us cumpanhero" oficialmente estão enquadrados como QUADRILHA. Vamos sair da CASERNA, militares! Hora de agir!

    By Anonymous Pedro, at 3:31 PM  

  • Os terroristas (guerrilheiros) assassinaram inúmeros militares, fizeram justiçamentos fuzilando civis acusados de colaboração com os militares. Cadê a História completa seu Lula? Ao lançar o livro nesses termos, o sr demonstrou que não se importa em apertar a mão suja de sangue de assassinos.

    By Anonymous Tales C Neto, at 5:56 PM  

Postar um comentário

<< Home