movimento ordem vigília contra corrupcao

quarta-feira, outubro 24, 2007

AMEAÇA À SOBERANIA

VENEZUELA

Hugo Chávez envia 15 diplomatas para municiar organização política antiimperialista que deseja transformar o Brasil numa “democracia socialista”. Por Claudio Dantas Sequeira - Da equipe do Correio

A infiltração ideológica do governo de Hugo Chávez no Brasil vai muito além do lançamento do livro Simón Bolívar – o Libertador. O Correio descobriu que o mandatário venezuelano tem um projeto político especial para o país, no qual assenta as bases de uma luta revolucionária em prol do socialismo do século 21. Parece piada, mas não é. O trabalho de campo está sendo coordenado pelo venezuelano Maximilian Arvelaiz, homem de confiança de Chávez. Há quase um mês, ele percorre várias capitais brasileiras com a missão de reorganizar os Círculos Bolivarianos e outras unidades de apoio à causa chavista.

Essa articulação culminará na realização da primeira Assembléia Bolivariana Nacional em dezembro, no Rio de Janeiro. No encontro, será lançada a versão tupiniquim do Movimento Bolivariano. Trata-se de uma frente antiimperialista dedicada a transformar o Estado numa “democracia socialista”, como consta do próprio estatuto desse futuro organismo, obtido com exclusividade pela reportagem. As linhas teóricas do documento repetem, sem timidez, o ideário da Reforma Constitucional chavista e sua meta de construir um “poder popular” para formar uma “federação socialista latino-americana”.

O Movimento terá hino, símbolo e bandeira próprios, e prevê cooptação de posições estratégicas em partidos, sindicatos, associações de bairros, grupos religiosos, ligas camponesas e empresas. Arvelaiz não está sozinho. Para apoiá-lo, Caracas enviou mais 15 diplomatas à embaixada em Brasília e consulados, inclusive um adido de inteligência. Para não despertar suspeitas, o Palácio de Miraflores deu a justificativa oficial de que se trata de um “reforço diplomático” para impulsionar as relações bilaterais.

Nada mais coerente quando o próprio presidente Lula classifica Chávez como parceiro importantíssimo e força a imediata aprovação no Congresso do Protocolo de Adesão da Venezuela ao Mercosul. De fato, hoje será votado o parecer do deputado Dr. Rosinha (PT-RR) sobre o assunto na Comissão de Defesa Nacional e Relações Exteriores da Câmara.

CÍRCULOS
O enviado especial de Chávez tem se reunido com os coordenadores dos vários Círculos Bolivarianos espalhados pelo Brasil para instruí-los da mudança de status dessas células sociais. Deixam de ser apenas unidades para a disseminação da doutrina bolivariana e se tornam parte de uma estrutura nacional, uma frente política aparelhada. O documento trazido por Arvelaiz e que sofreu adaptações à realidade nacional orienta à “formação de mulheres e homens dispostos a assumir a responsabilidade de conduzir a pátria brasileira e latino-americana até nossa definitiva independência”.

“Para nós, a construção do socialismo no Brasil tem de recolher de forma crítica e inovadora experiências históricas de larga duração, oriundas dos setores nacionalistas revolucionários do velho PTB, de correntes dos velhos PCB e PSB, da Organização Revolucionária Marxista-Política Operária (ORM-POLOP) e da chamada ‘nova esquerda’”, informa o texto de apresentação do evento no site http://assembleiabolivariananacional2007.blogspot.com. A página é mantida pelo Círculo Bolivariano Leonel Brizola (fundacional), cujo coordenador é o jornalista Aurélio Fernandes, membro da CUT-RJ e do diretório nacional do PDT.

Fernandes criou a chamada Casa Bolivariana, que reúne todas as organizações similares do Rio. É o caso do Círculo Bolivariano Che Guevara, que reúne universitários. Eduardo, um dos responsáveis, confirmou à reportagem que o Movimento Bolivariano recebe apoio do Consulado Geral da Venezuela, capitaneado pelo embaixador Mario Guglielmelli Vera. “A gente conta com a ajuda deles, não só formando uma base de solidariedade à revolução na Venezuela e em Cuba, mas ajudando na construção de uma revolução no Brasil.” Ele ressaltou o trabalho intenso do novo cônsul, mas garantiu que se trata de apoio político e não financeiro.

Segundo ele, quem banca os Círculos são os próprios integrantes e não há financiamento externo. No entanto, o capítulo novo do estatuto do Movimento determina que as finanças terão origem em contribuições não só dos militantes, mas “doações de pessoas e entidades jurídicas” — o que inclui qualquer tipo de patrocinador. Cada instância do Movimento deve anualmente “preparar um plano de arrecadação de fundos” e “tomar iniciativas com empreendimentos econômicos e financeiros, de propriedade coletiva, que venham representar entrada de recursos”.

O Movimento terá como fachada jurídica a Associação Nacional pela Educação Popular e a Cidadania. Em nome dela estarão todas as propriedades e documentos legais. O petista Afonso Magalhães, diretor do Círculo Bolivariano de Brasília, simpatiza com a iniciativa, mas pondera. “Temos de conduzir isso com os movimentos populares, sem se afastar da base social do PT e do Lula, senão a gente fica isolado, com um discurso ideologizado”. Magalhães, que esteve com o enviado de Chávez, orientou a Caracas evitar a radicalização com o governo. “Se alimentar antagonismo com Lula, vai dividir em vez de unir”.

Os Círculos Bolivarianos reúnem em sua direção intelectuais, políticos, sindicalistas, empresários e estudantes. Há membros do PT, PSol, PDT, CUT e MST. O Rio de Janeiro é o estado com maior números de unidades bolivarianas (sete), grande parte sob o guarda-chuva do Círculo Bolivariano Leonel Brizola. Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Bahia e Amazonas também têm organizações.

TRECHOS
Estatuto do Movimento Bolivariano do Brasil
“É uma organização política que se define como bolivariana, guevarista e brizolista. Fundamenta na teoria marxista sua visão crítica e revolucionária, contra o capitalismo (…) Se propõe a combater por meio da luta ideológica frontal. Utilizaremos todas as formas de luta tendentes à resolução da luta de classes que tem como objetivo a tomada do poder".

“Lutamos por uma sociedade socialista que prepare as condições para uma sociedade sem classes e sem estado: a sociedade comunista. Um movimento da luta socialista pela libertação nacional brasileira, pela unidade e independência da América Latina”

“O povo trabalhador deve se organizar e lutar para construir o Poder Popular através da conquista do Estado e o controle dos meios de produção. Precisamos de uma educação política que garanta a unidade da teoria à prática local concreta”

“O Congresso Bolivariano Nacional é a instância máxima do Movimento. Reúne delegados de todos os círculos bolivarianos dos estados e municípios”

“A Assembléia Bolivariana Nacional reunirá a Coordenação Nacional, os coletivos e equipes nacionais e dois representantes por estado”

“As principais missões que deverão agrupar os companheiros e ter planos de ação são: Educação Política, Comunicação e Propaganda, Finanças, Mobilização. Haverá ainda o Coletivo de Relações Internacionais”

“O Movimento deverá implementar e organizar seus militantes na forma de círculos bolivarianos, agrupando os companheiros, desde a base, em seus locais de luta no trabalho, na moradia e no estudo. Para o melhor funcionamento dos círculos, a coordenação nacional elaborará normas de funcionamento específicas”

“Em todas as atividades do Movimento devem estar presentes a Bandeira e o Hino (a serem definidos). Todos os meios de comunicação possíveis, como rádio, folhetos, filmes, vídeos serão utilizados para divulgação”

PROTESTO EM CARACAS
Fernando Llano/AP
Manifestantes ostentam cartaz com imagem do presidente Hugo Chávez e a frase “Hugo I em traje democrático”. Milhares de pessoas protestaram ontem em Caracas contra as reformas constitucionais que permitiriam ao chefe de Estado venezuelano se reeleger por mandatos consecutivos. A polícia atirou bombas de gás lacrimogêneo contra a multidão, depois que um pequeno grupo lançou garrafas contra os agentes perto da Assembléia Nacional. – FOTOS DO PROTESTO VENEZUELA
AQUI

ANÁLISE DA NOTÍCIA
Regras rasgadas

A organização de Círculos Bolivarianos no Brasil teve início em 2004, no rastro da virada diplomática do presidente venezuelano, Hugo Chávez, para angariar apoio a seu projeto político no exterior. Mas, sob a fachada de inocentes unidades de divulgação da doutrina bolivariana e dos fundamentos do Socialismo do Século 21, se descobre uma articulação política com ares de ingerência e risco à soberania.

Ao prever “o uso de toda forma de luta” para transformar o Estado brasileiro em parte de uma “federação socialista”, o Movimento Bolivariano rasga as regras de convivência democrática e traz à memória o fantasma da guerra ideológica que animou duas décadas de ditadura militar no país. Poderiam ser palavras ao vento, não fossem as gestões diplomáticas realizadas pelo Palácio de Miraflores, ganhando eco no seio de partidos políticos, organizações sociais e grupos juvenis.

Esses círculos brasileiros se espelham em seus similares venezuelanos, que são financiados pelo governo. Lá, eles chegam a 1,2 mil e funcionam como uma interface essencial entre o presidente e o povo, solapando a representatividade do Legislativo. Em seis dias, será lançado em Brasília o livro Simón Bolívar, o Libertador. Em dezembro será a vez do “Movimento Bolivariano”. Qual será o próximo passo? (CDS) – Correio Braziliense

HOMENAGEM A CHE GUEVARA ONTEM
OS QUINTAS-COLUNAS DO SENADO
Sessão de homenagem a Che Guevara critica 'imprensa reacionária'
Em sessão especial no Senado para lembrar os 40 anos da morte do líder revolucionário Ernesto "Che" Guevara, deputados e senadores dispararam críticas contra a revista "Veja", que no início do mês publicou reportagem questionando o mito criado em torno do argentino, morto no dia 8 de outubro pelo exército boliviano.

Por Gaúcho/Gabriela

2 Comments:

  • Os Bolivarianos Brasileiros vão demorar a perceber a verdade. A verdade vai aparecer quando a liberdade desaparecer. Quando o cárcere for a única saída para os que discordam do regime Bolivariano.

    By Blogger madera, at 11:43 AM  

  • Resposta dos Círculos Bolivarianos Leonel Brizola (movimento)



    sobre a reportagem do Correio Braziliense do dia 24 de outubro de 2007



    Uma peça de ficção.



    A cada dia que passa nossa grande imprensa se transforma cada vez mais em um conjunto de folhetins sensacionalistas e reacionários do que veículos capazes de cumprir o seu papel de informar.



    Em relação à Revolução Bolivariana em curso na América Latina essa realidade atinge níveis alarmantes. Vale tudo para demonstrar identidade ideológica com o governo Bush no Brasil. Desde desqualificar o Presidente Chávez como ditador, ainda que ele tenha sido eleito democraticamente por uma maioria incontestável, até a criação de peças de ficção como a reportagem feita pelo Senhor Cláudio Dantas no Correio Braziliense sob o título "Soberania Ameaçada".



    Em seus três anos de existência a relação dos Círculos Bolivarianos Leonel Brizola (movimento) com a grande imprensa sempre se pautou no respeito mútuo e no compromisso com a informação. Até essa "peça de ficção" do Correio Braziliense nenhum repórter demonstrou vergonha em se identificar como profissional cumprindo seu trabalho a serviço de um determinado jornal ou revista. Nenhum repórter se fez passar por um jornalista que "achou interessante os documentos lidos na internet e desejava conhecer nosso movimento". Nenhum profissional se apresentou como alguém "interessado em dar uma força para a Assembléia Bolivariana" ou se utilizou de documentos públicos veiculados na Internet como se fossem obtidos "com exclusividade pela reportagem".



    Realmente não temos nenhuma timidez em afirmar o nosso compromisso com a libertação nacional e social de nosso país. Não temos por que ser tímidos em reconhecer nossa admiração pela luta bolivariana dos povos venezuelano, cubano, boliviano e equatoriano e pela coerência dos Presidentes Hugo Chávez, Fidel Castro, Evo Morales e Rafael Correa com suas idéias e com os interesses de seus povos e nações.



    Porém, ao contrário do que a "peça de ficção" afirma, até o momento não conhecemos Maximilian Arvelaiz e não realizamos nenhuma reunião com esse diplomata ou qualquer outro, tampouco com algum cidadão venezuelano para tratar da Assembléia Bolivariana Nacional que realizaremos no final do ano ou da formação do movimento bolivariano que lançaremos nesse evento.



    O que fazemos cotidianamente, como um direito que nos assiste, é prestar solidariedade militante ao processo revolucionário em curso nesses países através de atos, marchas e campanhas de esclarecimento junto ao povo brasileiro defendendo tais processos das mentiras e difamações dos grandes meios de comunicação a serviço dos poderosos.



    A proposta de fundar um novo movimento bolivariano e redigir seus documentos foi elaborada, discutida e aprovada em várias reuniões dos Círculos Bolivarianos Leonel Brizola no decorrer do ano de 2007. Portanto, não foram e não tiveram como referencial nenhum documento trazido por venezuelanos "que sofreu adaptações à realidade nacional".



    O problema é que mesmo uma "peça de ficção" não pode se render "ao exagero na dose", sob pena de se tornar uma matéria indigna de figurar nas páginas de quaisquer jornais. Mas ao figurar, termina por desnudar o desespero dos que pagam a pena de repórteres que se prestam a cumprir o papel de papagaios do imperialismo.



    Brasil, 24 de outubro de 2007



    Aurelio Fernandes e João Cláudio Pitillo



    pela Coordenação política dos Círculos Bolivarianos Leonel Brizola (movimento)

    By Blogger Círculos Bolivarianos Leonel Brizola (movimento), at 1:14 AM  

Postar um comentário

<< Home