movimento ordem vigília contra corrupcao

sexta-feira, maio 25, 2007

O COLAPSO DA AUTORIDADE

Com as labaredas do incêndio da Operação Navalha chamuscando o plenário e a fumaça escurecendo os corredores e gabinetes, a tremedeira da paúra despertou os poucos parlamentares que se preocupam com a crise moral que devasta o Legislativo e para a urgência de medidas para evitar o pior. Por Villas-Bôas Corrêa, repórter político do JB

Mas ou à imaginação entorpecida pelo estresse dos últimos dias não acudiram idéias novas ou a explicação que salta aos olhos ilumina a evidência de que o desgaste da atividade política, desprezada pela virtual unanimidade da população, espertou a dormência dos privilegiados com um dos melhores empregos do mundo.

A excitação de senadores e deputados encontrou alívio na troca de angústias de reuniões e nas declarações aos repórteres de plantão. No Senado, meia dúzia de ministros e governadores valorizaram o bate-papo a portas fechadas. Do que transpirou dos segredos de Estado, a mesinha mágica para salvar o doente é a reforma política, velha e cansada de esperar. A receita é a mesma: financiamento público das campanhas, para que o povo pague a conta da eleição de suas excelências, fechando-se o ralo do caixa 2, do mensalão e da generosidade da Gautama. Junte-se a fidelidade partidária para acabar com o balcão da troca de legendas e o polêmico voto em lista para espantar de vez o eleitor, proibido de votar no candidato da sua preferência.

Céus! Se os congressistas não querem mirar-se no espelho e olhar em torno, basta ler os jornais, assistir aos noticiários das redes de TV, prestar atenção nas conversas de rua, nos transportes coletivos: o colapso da autoridade infla na desmoralização do Legislativo e enfuna-se na passividade do governo.

A paciência do povo, a sua indignação com a roubalheira impune, a sua decepção com a comédia das denúncias de novas trapaças, apuradas pela Polícia Federal, pela Promotoria Pública, pelas CPIs e que não deram em nada, gritam a advertência da urgência de uma reação para valer.

Como o Congresso quer ser levado a sério se não se dá ao respeito? O Conselho de Ética da Câmara - na verdade o Conselho Antiética - anistiou todos os deputados processados por crime de corrupção no mandato anterior e reeleitos com o pretexto de um cinismo alvar de que foram anistiados pelas urnas. O responsável é o eleitor.

Na mesma toada dos vândalos que invadiram e depredaram o Congresso e estão impunes, as centenas de militantes do MST, do Movimento dos Atingidos por Barragens e da Via Campesina ocuparam a Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, invadiram a sala de controle e a casa de força, ameaçaram incendiar as instalações. O governo enviou tropa para restabelecer a ordem. Com o recado presidencial de que examinará as pretensões dos manifestantes na mesa de negociação.

Milhares de manifestantes do MST bloquearam sete rodovias federais, em Pernambuco, com barreiras de pneus incendiados e provocaram engarrafamentos de mais de três horas na BR-408, a 22 quilômetros de Recife. No Rio, os sem-terra fecharam por duas horas a BR-393, no Sul Fluminense, e as rodovias federais BR- 101 e BR-356, no Norte do Estado do Rio, e foram dispersos pela tropa policial.

Greves em cascata: na Polícia Federal, com a volta das filas nos aeroportos; dos professores da Universidade de São Paulo, em solidariedade ao protesto dos estudantes e funcionários. Apenas o flagrante do dia.

O Congresso atolado em mais um escândalo; o Poder Judiciário arrastando-se no passo lerdo das leis caducas e o Executivo apostando as fichas da popularidade na demagogia, nos índices estatísticos e na parolagem presidencial compõem o quadro de tintas fortes da falência da autoridade.

Aplausos a Arthur Virgílio
PROJETO SEU EXTINGUE A CENSURA PRÉVIA
E uma mensagem a Tarso Genro. Glória a Deus! Sinais de vida no planeta Brasil.

Arthur Virgílio (AM), líder do PSDB no Senado, apresentou projeto de Decreto Legislativo que susta os efeitos da Portaria nº 264, do Ministério da Justiça. Trata-se daquela estrovenga que institui a “classificação indicativa” de programas de TV. Na prática, como está sobejamente demonstrado por Diogo Mainardi e por este blog, recria a censura prévia no país. Mais do que isso: está claro que o texto põe também o jornalismo sob monitoramento do Estado. Leia mais no Blog do Reinaldo Azevedo
aqui

OPERAÇÃO NAVALHA
"Está na hora da Polícia Federal deixar de fazer pirotecnia" – Por Lula (durante reunião do Conselho Político, na manhã de ontem). Esta frase de Lula foi vazada por assessores dele para os jornalistas. Noblat

LOBISTA PAGOU CONTAS DE RENAN, DIZ A VEJA
Calheiros, um senador no bolso de empreiteiro
• O lobista da Mendes Júnior coloca à disposição do senador um flat num dos melhores hotéis de Brasília, o Blue Tree. O flat, número 2 018, é usado para compromissos que exijam discrição. Está em nome de Cláudio Gontijo.

• O lobista da Mendes Júnior pagou, até março passado, o aluguel de um apartamento em Brasília para o senador. O imóvel tem quatro quartos e fica em uma área nobre da capital federal. O aluguel saía por 4.500 reais.

• O lobista pagava 12.000 reais mensais de pensão para uma filha do senador, de 3 anos de idade. A pensão foi bancada por Cláudio Gontijo de janeiro de 2004 a dezembro do ano passado.

• O lobista ajuda nas campanhas do senador Renan Calheiros e nas de sua família. Já ajudou o próprio senador, seu filho e seu irmão. Texto de Thomaz Magalhães do Trem Azul

O Padrinho de peso
A PEDIDO DE RENAN, LULA PRIORIZOU VERBA PARA ALAGOAS

A pedido do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o
Lula deu prioridade na liberação de dinheiro para a obra da barragem Duas Bocas-Santa Luzia, no Rio Pratagy (AL), de R$ 70 milhões, tocada pela Construtora Gautama, de Zuleido Veras.

A verba foi assegurada por uma medida provisória editada no fim de 2005. Em outro movimento para atender os políticos do Estado, o governo incluiu a barragem no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no início de 2007.

O “Cumpadi” Lula
Dentro do governo, não há dúvida de que a barragem contou com o amparo de uma medida provisória apenas por ter um padrinho de peso. Segundo um parlamentar com trânsito no Planalto, Renan falou com “todo mundo” dentro do governo e ainda mobilizou seus aliados na Câmara e no Senado.

Segundo esse parlamentar, ele argumentava que a obra era fundamental para o Estado. A barragem ficou na mira da Polícia Federal. Segundo o inquérito que apura as fraudes identificadas pela Operação Navalha, nas escutas telefônicas, o secretário de Infra-estrutura de Alagoas, Adeílson Teixeira Bezerra, e seu subsecretário, Denisson de Luna Tenório, teriam solicitado, por diversas vezes, vantagens indevidas para liberar o pagamento de uma medição irregular relativa à obra.

OPERAÇÃO VAZAMENTO
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, um homem honrado, foi vítima de um vazamento seletivo: plantaram na imprensa que ele seria "Gilmar de Melo Mendes", ligado ao caso da Operação Navalha.

Na verdade, trata-se de outra pessoa. "Foi uma tentativa de intimidação", acusa ele. Até este colunista (C. Humberto), que tem por norma denunciar irregularidades. O ministro foi vítima desses vazamentos manipulados, que escolhem a dedo seus alvos.

O MISTÉRIO da TARJA PRETA
Vazaram cópia da Operação Navalha para o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM); nela, cobriram com uma tarja o nome do primeiro suspeito. Em poder de Arthur Virgílio, a lista de suspeitas começa com o nº 2, o governador do Maranhão.

Munido de um dossiê o Senador Arthur Virgílio estava com uma cópia censurada do inquérito da PF, entregue anonimamente em sua casa.

Ao exibir na tribuna uma cópia do inquérito 544-BA, referente à Operação Navalha, o líder tucano destacou que algumas páginas foram extraídas do documento e em vários trechos os nomes estavam cobertos por tarja preta. “Não se pode ter um governo que separe ladrão amigo de ladrão inimigo. Ladrão é ladrão”, reclamou Virgílio, declarando-se inconformado com as tarjas pretas que, a seu ver, foram usadas para cobrir os nomes dos amigos.

Virgílio lembrou que a ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça, determinou que fossem retirados da peça elementos que não tivessem nada a ver com as investigações. “Mas, então, o que esses nomes e essas informações estavam fazendo lá?”, perguntou.

O líder tucano pediu ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que requisite a peça policial completa, já que a que recebeu está sem tomos inteiros. 'Acho que precisamos esclarecer e investigar. Estamos devendo isto ao Brasil', respondeu-lhe o presidente da Casa.

Virgílio criticou o vazamento do nome de Gilmar Mendes, para parecer que se tratava do ministro do Supremo, quando se sabia que a pessoa era outra. O objetivo, disse, foi atingir o ministro. Por Christiane Samarco – O Estado de São Paulo

POR QUEM OS SINOS DOBRAM?
Depois de ouvir os questionamentos dos congressistas, o próprio ministro Tarso Genro
reconheceu que pode ter havido excessos. Lula também admitiu essa hipótese. Pediu a Tarso que apure e, se for o caso, puna os responsáveis pelos alegados excessos.

Lula mostrou-se incomodado, não pela arbitrariedade cometida contra o ministro Gilmar, mas, sim, pelo seu ex-auxiliar Silas Rondeau (Minas e Energia), afastado do cargo sob a acusação de ter recebido propina de R$ 100 mil da Gautama. Lula insiste em alegar que as acusações da PF, contra Silas são "frágeis" e que ele está convencido da inocência de seu ex-auxiliar.

Tem coisas deste desgoverno que não vão mudar nunca. Lula sempre defendeu sua quadrilha composta por “homens honestos”. Foi assim com o Palocci, com o Zé Dirceu e outros tantos pegos com a mão na cumbuca.. Não poderia ser diferente com o Silas. Por Gaucho/Gabriela

ACREDITE SE QUISER
Já que o segredo de aborrecer é dizer tudo, o leitor tem o direito de saber que Sônia Ráo e Dora Cavalcante, advogadas de Zuleido Veras, eram sócias de Márcio Thomaz Bastos — manda-chuva na PF até outro dia — antes de ele ir para o Ministério da Justiça. Na sua volta à vida privada, Bastos abriu um outro escritório. No mesmo prédio em que está o das antigas companheiras de banca.

Todo mundo tem direito a um advogado. Zuleido também. Por que não elas? Mas que esse mundo é pequeno demais da conta, lá isso é. A proximidade confundiu o próprio Zuleido, que chegou a dizer que o seu real advogado era o ex-ministro da Justiça. Bastos, é claro, negou de pés juntos. Por Reinaldo Azevedo

Ainda falando da PF
PF ACEITA ACORDO COM GOVERNO E TERMINA A GREVE

Categoria realizou paralisação de 72 horas, desde terça-feira. Em reunião na quinta, policiais e governo negociaram pagamento de reajuste de 30%.
Portal G1

USP CONTINUA AGUARDANDO UM “MÁRTIR”
E a tia Marilena se ilumina...

Os gatos pingados que ocupam a USP
não cedem. Há mandado judicial para a desocupação da reitoria, mas a polícia reluta em cumprir a determinação. Ex-líder estudantil, o governador Serra certamente está segurando a PM.

E agora os professores (a minoria partidária, bem entendido) também entraram em greve, seguindo a "delinqüência juvenil". Está claro que os líderes auguram um "mártir" - e não faltam ingênuos para servir de escudo aos militantes partidários, no caso de a polícia enfim cumprir o que determina a lei, isto é, acabar com a ocupação da reitoria da veneranda USP.

Não me surpreende nem um pouquinho ver que uma das signatárias do manifesto de apoio à ocupação é a filósofa da corte Marilena Chauí, petista de carteirinha que, deslumbrada, vê "o mundo se iluminar" quando Lula fala.

Não se iludam a campanha de 2010 já começou. Nessa briga de foice, conviria a muitos grudar um cadáver (toc, toc, toc) nas costas de Serra.

P.S.: e dizem que há gasolina estocada no prédio da reitoria - suficiente para iluminar o rosto da tia Marilena lá longe, na sua confortável mansão de "revolucionária”.

UPDATE: leia editorial do Estadão de hoje:
Um projeto antidemocrático. Material do Orlando Tambosi

Por Gaucho/Gabriela (MOVCC)

1 Comments:

  • Leiam a frase do CÍNICO:

    Polícia Federal não será cerceada, adverte Lula
    O presidente Lula admitiu hoje que "exageros" foram cometidos, na Operação Navalha, mas advertiu que a Polícia Federal vai continuar combatendo a corrupção "doa a quem doer".

    Que tal se o STF não arquivasse o processo da CPI dos Correios e mandasse prender os 40 ladrões conforme acatou o procurador da república indiciando-os no inquérito! Não é senhor Lula?

    By Anonymous Gabriela, at 7:16 PM  

Postar um comentário

<< Home